HOME

ARQUIVO BANDA C TV DIGITAL GLOSSÁRIO TV CANAIS DE TV FALE CONOSCO  
 
A História da TV Por Assinatura

 O Começo nos Estados Unidos

As primeiras manifestações de TV paga no mundo surgiram nos Estados Unidos, nos anos 40, em pequenas comunidades no interior do país com dificuldades de recepção dos sinais da TV aberta. Nestas regiões, devido ao sinal fraco, era praticamente impossível se vender televisores. Com o intuito de aumentar suas vendas, algumas lojas de aparelhos de televisão construíram antenas de alta sensibilidade em cima de prédios altos ou no topo de montanhas. O sinal era, então, retransmitido às televisões das lojas para que elas pudessem ser exibidas aos compradores. Pouco a pouco, as pessoas aproveitavam o cabo que passava por suas residências para conectar suas próprias televisões e melhorar a recepção. Assim, nascia uma nova indústria nos Estados Unidos. No princípio, este serviço era gratuito, mas em algumas localidades, empresários passaram a construir antenas e a cobrar mensalidade dos interessados pelo serviço. Em apenas 2 anos, por volta de 14 mil domicílios já assinavam este serviço. Nasciam as operadoras de TV a cabo.

      Em 1962, já haviam cerca de 800 operadoras de TV a cabo, com mais de 850 mil assinantes. Logo, as operadoras de TV a cabo, aproveitando da capacidade de receber sinais de regiões milhares de quilômetros distante, mudaram seu foco da retransmissão de sinais locais para o provimento de programação alternativa. Até então, existiam somente emissoras de TV aberta. A TV a cabo existia apenas para melhorar a recepção do sinal destas emissoras em locais remotos ou distantes.

     O crescimento do negócio de provimento de sinal de emissoras de outras localidades levou as empresas de televisão locais a encarar as operadoras como concorrência. Em resposta a isso, o Federal Communications Commission (FCC) expandiu sua jurisdição e passou a impor restrições às operadoras que as impedia de "carregar" sinais de televisão. Esta ação acabou por retardar, mesmo que temporariamente, o desenvolvimento do mercado de TV a cabo americano.

     Estas restrições duraram até o início da década de 70, quando, a partir de 1972, teve início um processo de flexibilização gradual na regulamentação, com a criação de novas regras para a transmissão de sinais de televisão.

     No mesmo ano, Charles Dolan e Gerald Levin da Sterling Manhattan Cable, criaram a primeira rede de televisão paga, a Home Box Office, ou HBO. Este empreendimento levou à criação de um sistema de distribuição de sinais que usava a transmissão via satélite de programação, aprovada na época. O uso dos satélites mudou o negócio dramaticamente, pavimentando o caminho para um crescimento explosivo no número de redes de programação. Houve um crescimento significativo nos serviços prestados aos consumidores do novo sistema, bem como no total de assinantes.

     No final da década de 70, o número de domicílios assinantes chegava próximo aos 15 milhões e, na década de 80, já eram cerca de 53 milhões. O número de programadoras havia subido de 28, em 1980, para 74 em 1989.

     À medida que o sistema de televisão por assinatura evoluía, diminuíam as restrições impostas ao mercado, o que possibilitou um aumento nos investimentos em cabeamento, tecnologia e programação sem precedentes.

     A desregulamentação da indústria teve um efeito positivo muito forte no rápido crescimento observado no mercado. Entre 1984 e 1992, a indústria investiu mais de 15 bilhões de dólares em cabeamento e alguns bilhões no desenvolvimento de programação, o maior investimento privado em um projeto de construção desde a II Guerra Mundial.

     Em fevereiro de 1996, o Telecommunications Act, lei que sinalizou uma nova era no setor de telecomunicações nos Estados Unidos, removeu barreiras de entrada, abriu o mercado e permitiu às empresas de cabo utilizar sua infra estrutura para atuar no mercado de telefonia e transmissão de dados.

     Como conseqüência, em meados da década de 90, a indústria passou a utilizar sua rede de cabos também para fornecer acesso à internet e redes remotas em alta velocidade. Além disso, muitas empresas do segmento começaram a desenvolver conteúdo local, dando aos assinantes acesso a informações de sua própria comunidade.

     Em 1996, a audiência da TV paga no horário nobre já superava a soma das três principais emissoras de TV aberta (ABC, CBS, NBC). Enquanto a audiência das emissoras de TV paga cresceu mais de 20% entre 1995 e 1996, a audiência das emissoras de TV aberta caiu quase que na mesma proporção.

     Em 1997, somente com a venda de Pay Per View, a empresas de TV por assinatura tiveram receita de mais de US$ 1,2 bilhão, mais do que o dobro do observado em 1994. O primeiro lugar ficou com filmes (US$ 603 milhões), seguido por eventos (US$ 413 milhões) e entretenimento adulto (US$ 253 milhões).

      Em 1999, pela primeira vez, os domicílios passaram mais tempo assistindo à TV por assinatura do que as quatro principais redes de TV aberta em conjunto.

      No primeiro semestre de 1999, a TV por assinatura faturou US$ 4 bilhões apenas com publicidade, um crescimento de 29% na comparação com o mesmo período de 1998. Ao mesmo tempo, as 4 grandes emissoras de TV aberta faturaram cerca de US$ 16,2 bilhões na primeira metade de 1999, praticamente o mesmo faturamento de 1998. Entre 2000 e 2001, a TV a cabo foi o único meio de comunicação que teve crescimento nas receitas de publicidade. O faturamento foi de US$ 10,4 bilhões, 1% superior ao de 2000, resultado significativo se for observada a queda de 9,8% obtida pelo mercado publicitário como um todo.

     Os investimentos da indústria em tecnologia e infra-estrutura superaram a casa dos 10 bilhões de dólares, na década de 90.

     O crescimento da indústria foi acelerado por uma onda de fusões e aquisições de empresas do setor. O investimento em novas tecnologias e inovação foi possível graças à sinergia de empresas.

     Com o intuito de se adequar a programação a nichos de audiência específicos, o número de redes de televisão a cabo explodiu na última década. No final de 1995, existiam 139 programadoras nacionais, além de muitas outras regionais. No final de 1996 este número já havia aumentado para 162. A TV por assinatura está disponível em 97% dos domicílios (home passed) dos Estados Unidos. Cerca de 69,9% dos domicílios (mais de 72 milhões) escolheram assinar o serviço.
(Fontes: Cablecenter.org, Abta.com.br)

 

Quer comentar esse conteúdo?  Então entre em conato conosco:

 

Escreva para nós, mande sua opinião e ajude a fazer o Super Canal TV